quinta-feira, 12 de novembro de 2009

O Retorno do Rapé ( ? )

Por Fellipe Gaio

O Rapé, tabaco ou fumo em pó para cheirar, já foi um produto muito utilizado em Curitiba, até o início do século passado. É comercializado em diversos aromas (canela, cravo, caratinga, mentolado) e, ao inalar o fumo moído, é provocada a vontade de espirrar, sendo do espirro que vem o prazer relacionado ao uso do Rapé, uma vez que o espirro dá a sensação de relaxamento. O produto foi trazido novamente para Curitiba, em 1958, com a inauguração do Mercado Municipal e, até 1997, só era possível encontrá-lo nas tabacarias do local.
Apesar de ter sua real origem nas aldeias indígenas do Brasil, o Rapé foi descoberto pelos europeus na segunda viagem de Cristóvão Colombo (1493-1496), que o apresentou para o francês Jean Nicot (o mesmo da Nicotina!), passando a ser moda, entre os jovens, na França do século XVI, e espalhando-se pela Europa como uma alternativa saudável do cigarro, pois não contém Nicotina. Com o passar dos anos, o Rapé foi perdendo seu lugar para o charuto e, em seguida, para o cigarro.
Com a recente aprovação da lei que proíbe o cigarro em lugares fechados, é possível que o seu uso volte a se tornar moda entre os jovens de Curitiba. Em países da Europa, como a Dinamarca, a Suécia, a Romênia, a Noruega e a República Tcheca, é comum encontrar jovens em bares e baladas se utilizando do Rapé como substituto para a diversão e relaxamento dos fumantes.

1 comentários:

Guto disse...

Você não desenvolve o aspecto principal da matéria, que é o hábito de cheirar rapé. Faltaram fontes que falassem sobre isso e dados sobre a comercialização (vc sugere que pode aumentar, mas as vendas indicam algo nesse sentido?).
Ouça as pessoas no mercado municipal, veja com os mais antigos se isso acontece, converse com os compradores e vendedores, compre uma lata e faça um teste com os frequentadores, use a criatividade para dar mais dinâmica ao seu texto.
Ele pode ser melhorado

Postar um comentário

| Top ↑ |